Plantas medicinais: a solução para muitas doenças

As pessoas estão cada vez mais preocupadas com a saúde e em busca de coisas mais naturais, desde alimentos, como os orgânicos que estão sendo procurados cada vez mais, até medicamentos e meios de amenizar dores e até mesmo doenças de forma mais natural, sem recorrer a remédios manipulados pela indústria farmacêutica, como por meio de plantas medicinais.

O que são plantas medicinais?

Basicamente, plantas medicinais são quaisquer plantas que contenham alguma substância terapêutica, ou seja, são plantas que possuem algum tipo de substância que pode combater alguma dor ou doença.

As plantas medicinais são usadas desde a pré-história, muito antes de existir as grandes empresas farmacêuticas. As pessoas já recorriam às plantas para aliviar dores e doenças, através de chás e infusões.

Os índios são um exemplo, desde antes de o Brasil ser colonizado pelos portugueses, os membros das tribos indígenas recorriam aos xamãs quando tinham algum problema de saúde ou alguma dor. Esse costume permanece até os dias atuais, nas tribos que permanecem preservadas eles não utilizam medicações, e sim as plantas medicinais fornecidas pelo xamã da tribo.

Até poucos anos atrás, nas grandes cidades do nosso país existiam curandeiros, que ajudavam as pessoas a se recuperarem de doenças e dores com suas plantas medicinais, as pessoas raramente recorriam a médicos, até porquê, existiam pouquíssimos médicos e contratar os seus serviços nem sempre era algo acessível, diferente dos curandeiros.

Até mesmo nossas mães e avós fazem uso de plantas medicinais em casa. Quem nunca reclamou de uma dor ou de alguma doença e a mãe ou avó não foi à cozinha preparar um chazinho?

Apesar de muitas vezes não levarmos a sério, os chás que nossas mães e avós nos oferecem, podem sim melhorar os sintomas que estamos sentindo, e de uma forma mais natural do que os remédios.

Poucos sabem, mas os remédios que nós encontramos com facilidade em farmácias e hospitais, são feitos à base de plantas medicinais, porém, diferente dos xamãs e curandeiros, a indústria farmacêutica realiza diversos estudos nessas plantas medicinais, para descobrir quais substâncias podem encontrar ali.

É necessário um estudo detalhado antes de manipular essas plantas medicinais, pois elas possuem diversas substâncias e nem todas são benéficas.

As substâncias que são retiradas das plantas são úteis para a sobrevivência dessa planta na natureza, por isso, algumas dessas substâncias podem ser venenosas, para espantar predadores e preservar a existência daquela planta.

Portanto, é muito importante lembrar que é preciso cuidado antes de sair pegando qualquer planta por aí pensando que ela pode te ajudar a resolver alguma dor ou doença, pois ao invés de resolver o seu problema, você pode acabar criando um muito pior para si ou para alguém próximo.

Algumas plantas medicinais têm sua eficácia reconhecida, como é o caso do agrião, que ajuda a melhorar a digestão, a tratar tosses e também possui efeito diurético, outra planta que possui efeitos reconhecidos é a babosa, sendo usada para cuidar dos cabelos, proporcionando maciez, ela inclusive está presente na composição de diversos shampoos e condicionadores.

O mapa do transporte rodoviário brasileiro

Transporte Rodoviario Brasileiro

Vivemos num país de dimensões continentais, composto por uma diversidade enorme de regiões, detendo essa grande extensão, amplas fronteiras terrestres e marítimas.

O Brasil apresenta uma área equivalente à de um continente, detendo 8.514.876 km² de extensão. Por definição, todo país ou região que apresente uma área maior que a da Austrália (7.692.024 km²) é considerado continental, pois esse país equivale à extensão, quase totalmente, do menor continente existente na Terra, a Oceania.

Somos o quinto maior país existente, ficando atrás de Rússia, Canadá, China e Estados Unidos. Sua área é tão grande que, a título de comparação, é pouco menor que a Europa, que possui cerca de 10,5 milhões de km².

Dessa forma, podemos ter uma ideia do quanto o espaço geográfico e também o meio natural do nosso país são amplos e diversos, apresentando as mais distintas características.

Diante desse gigantismo territorial, devemos destacar que os deslocamentos são necessidades grandes também, e para se construir esse enorme pais foi eleito o Transporte Rodoviário, em detrimento aos outros tao importantes quanto ele, como o Ferroviário e o Marítimo.

Tal opção se deu em meados dos anos 1950 por decisões políticas que não nos cabem discutir aqui, o que resultou em grandes investimentos em rodovias e consequentemente na produção de Caminhões, ônibus e Implementos Rodoviários – e consequentemente mais empresas passaram a comprar caminhões boiadeiro.

O setor se fortaleceu e hoje representa uma das bases da economia do pais (confira aqui), não podendo se falar em desenvolvimento e crescimento sem que o setor esteja sendo considerado.

Devemos destacar essa força, aliada ao agro negócio, que depende de maneira vital do transporte rodoviário, para escoar os grãos, para transportar os gados para frigoríficos, até mesmo o setor de mineração para escoar o produto de sua produção.

Muito se questiona o seu papel na construção do nosso pais, o fato é que o transporte rodoviário foi, é e continuara sendo um dos responsáveis pelo nosso desenvolvimento, devendo ser valorizado e fomentado de maneira respeitosa e responsável.

Noni: você já ouviu falar? Descubra os reais benefícios desse alimento misterioso

O noni é uma fruta polêmica, apesar de ser muito popular. Aqui no Brasil, a comercialização de produtos que contenham a fruta como ingrediente foi probida pela Anvisa. Mesmo assim sua popularidade continua crescendo.

A Morinda Citrifolia (nome científico do noni) é uma árvore de origem asiática, mas cresce e dá frutos normalmente em várias regiões do Brasil. Seu sabor é bem forte e característico, por isso, em muitos casos é consumido com outras frutas para tornar o paladar um pouco mais agradável.

O noni é usado amplamente na medicina popular no sudeste asiático e é consumido também por aborígenes na Austrália. Ele possui 53 ingredientes ativos e diz-se que pode combater uma série de doenças, inclusive o câncer.

Benefícios do Noni

A fruta ainda está sendo investigada e sua composição ainda não é um consenso, o que faz dela uma verdadeira incógnita. Entretanto, acredita-se que o noni:

  • Seja uma grande fonte de vitamina C;
  • Possua ação antioxidante;
  • Contribui para a produção de melatonina;
  • Ajuda no combate a hipertensão;
  • Proporciona alivio para quem sofre de dores crônicas;
  • Melhora do sistema digestivo;
  • Ajuda a reduzir a fadiga.

Um dos maiores atrativos do noni é sua ação antioxidante que combate os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento.

Porém, vale ressaltar que esses benefícios não são comprovados, e é possível que seu consumo possa até mesmo ser nocivo, por isso é importante ficar atento antes de adotar um novo alimento desconhecido na sua dieta.

Noni emagrece?

Frutas em geral são muito benéficas para uma dieta saudável. Para incluir o noni na dieta de emagrecimento, sugere-se preparar um suco com 250 ml de noni e 1 litro de suco de uva. O consumo deve ser feito em no máximo 45 dias, tomando todos os dias pela manhã uma dose de 30ml. Porém, não existe uma quantidade exata recomendada de consumo de noni por profissionais.

Riscos do consumo de noni

Acredita-se que o consumo prolongado de noni pode causar hepatite e toxicidade hepática (doenças no fígado). Além disso, estudos mostraram que tanto o extrato seco quanto o extrato aquoso do noni podem interferir em processos de reprodução, como gestação e parto. No caso, os efeitos foram observados em ratas, porém não existem estudos conclusivos sobre os efeitos adversos em humanos.

Se você já toma algum remédio que sobrecarrega o fígado ou tem qualquer problema no fígado, fica totalmente desaconselhado o consumo dessa fruta. Caso tenha ingerido sem saber do risco, o ideal é procurar seu médico.

E ao comprar produtos derivados do fruto, atente-se para a origem. Tome muito cuidado para não cair em propagandas enganosas com produtos que se tratam de misturas ou de outros frutos. O suco puro de noni dura até 2 anos quando engarrafado.

Lembre-se: na dúvida, consulte seu médico ou nutricionista. Não arrisque sua saúde.

10 vegetais que você come, mas provavelmente nunca viu a árvore

A gente conhece muitos frutos, legumes, temperos… mas sabemos mesmo de onde vem cada um? Nesse post selecionamos alguns alimentos comuns no Brasil e mostramos de onde vem a árvore que dá cada um deles. Olhem só que incríveis essas plantas e como é interessante ver como se formam seus frutos e castanhas.

1. Oliveira: a árvore que dá azeitonas


Quem diria que as azeitonas vem desta árvore, não é mesmo? Ela é uma árvore típica do mediterrâneo e pode chegar até mesmo a 15 metros de altura. Em Portugal, exite uma oliveira de 2850 anos de idade. Incrível, não é mesmo?

2. Jaqueira: a árvore que dá jaca


Quem vê a jaca tão grande imagina que seu pé é rasteiro, porém ela é uma árvore muito robusta e seus frutos dão nos troncos até o topo da árvore. Como seus frutos são grandes e pesados, é perigoso ficar deitado à sombra dessa árvore ou até mesmo estacionar o seu carro. Melhor prevenir.

3. Jabuticabeira: o pé de jabuticaba


Antes da jabuticaba ficar madurinha no pé, ela é uma flrozinha, que depois se transforma em uma bolinha verde e que finalmente ao madurar se torna um marrom escuro, quase preto. É uma árvore que dá no Brasil todo, ideal para ter no seu quintal e alegrar a família e os vizinhos.

4. Cajueiro: o pé de caju


Cajueiro é uma joia da flora brasileira. Não só pelo seu fruto que é saboroso e ótimo para fazer sucos, mas também pela sua castanha que é mundialmente conhecida e apreciada.

5. Pé de tamarindo


O tamarindo é uma vagem um pouco menos conhecida. Seu pé é bem exótico e seu nome vem da palavra árabe tamr hindi, que significa literalmente tâmara da Índia.

6. Açaizeiro: a árvore que dá açaí


Outra fruta brasileira que faz sucesso no mundo todo, o açaí vem de uma palmeira, e nasce em cachos como coquinhos. É uma fruta muito consumida em sucos e faz parte de uma alimentação balanceada e cheia de energia.

7. Pé de lichia


Essa frutinha exótica conquistou o coração dos brasileiros e nasce tão facilmente que você pode até mesmo ter um pé no seu jardim. Além da aparência intrigrante, o sabor também não deixa a desejar.

8. Pé de cereja


Quem só vê cereja no vidrinho de conserva, nem faz ideia de onde a verdadeira fruta vem. O pé precisa de um clima frio para dar fruto, mas nem todas cerejeiras são frutíferas, algumas dão apenas madeira nobre. A cereja é muito cultivada em Portugal, mas não tanto no Brasil.

9. Pé de avelã


E de onde vem a famosa castanha que resulta no delicioso creme de avelã que todo mundo adora? Apesar de não ser uma planta comum aqui no Brasil, não é muito difícil encontrar a própria avelã ou produtos feitos com esse ingrediente por aqui. A casca da avelã é como uma castanha-do-Pará, bem resistente, mas a semente dentro é macia e saborosa.

10. Caneleira: o pé de canela


Por fim, a canela que não é um fruto mas sim uma casca, vem desta árvore originária do Sri Lanka. A caneleira possui fruto, mas o que é realmente utilizado na culinária é a sua casca como especiaria.

Congresso Nacional de Bioenergia: história e cronograma do evento

O Congresso

 

O CNB pretende reunir mais de 1300 congressistas para assistir cerca de 200 palestrantes e moderadores em suas salas temáticas onde mais de 100 temas serão apresentados e debatidos. O objetivo do congresso é conectar os avanços e novas descobertas a esse setor no Brasil, compartilhando informações e experiências para buscar as melhores e mais sustentáveis soluções para o mercado, além de promover um grandes oportunidades de networking.

 

Confira a programação dos dois dias de congresso em Araçatuba/SP.

 

Primeiro dia: 09 de novembro

Sala Administrativa / Financeira

 

PAINEL I

Moderador:
CARLOS EDUARDO ARAÚJO – CFO – Mackensie Agribusiness
09h00 Tema:
Novas exigências do pacote SPED – Bloco K e e-Social: desafios e aspectos gerais
GEISA VICENTE – Consultora Sênior – Deloitte

PAULO PINESE – Sócio Diretor – Deloitte

RAFAEL PIANTONI – Gerente de Consultoria Tributária – Deloitte
10h45 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL II

Moderador:
CARLOS EDUARDO ARAÚJO – CFO – Mackensie Agribusiness
11h20 Tema:
Novas exigências do pacote SPED – Bloco K e e-Social: desafios e aspectos gerais
GEISA VICENTE – Consultora Sênior – Deloitte

PAULO PINESE – Sócio Diretor – Deloitte

RAFAEL PIANTONI – Gerente de Consultoria Tributária – Deloitte
12h45 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL III

Moderador:
NILTON CÉSAR MEDEIROS – Coordenador Administrativo – Unialco
14h50 Tema:
Contratos de parceria e arrendamento: conceitos, modelos, ajustes e gestão de riscos
PAULO PINESE – Sócio Diretor – Deloitte
16h15 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL IV

Moderador:
NILTON CÉSAR MEDEIROS – Coordenador Administrativo – Unialco
16h50 às 18h15

Tema:
Contratos de parceria e arrendamento: conceitos, modelos, ajustes e gestão de riscos
PAULO PINESE – Sócio Diretor – Deloitte
19h00 Jantar de confraternização dos congressistas
Local: Quarta Avenida Eventos – Rua Duque de Caxias, 1.900 – Araçatuba/SP

 

Sala Agrícola

PAINEL I

Moderador:
LUIZ ANTONIO BORGES (XIXO) – Diretor Agrícola – Renuka do Brasil
09h00 Tema:
Avaliação do manejo varietal praticado nas usinas do Centro-Sul do Brasil
DIB NUNES – Diretor – Grupo Idea
10h10 Tema:
Soluções Syngenta para o aumento da produtividade agroindustrial
JOSÉ RUFATO – Desenvolvimento Técnico de Mercado – Syngenta
10h45 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL II

Moderador:
SÉRGIO LUIZ SELEGATO – Diretor Agrícola – Da Pedra Agroindustrial
11h20 Tema:
Manejo das variedades RB e controle de doenças, com enfoque no carvão e na ferrugem alaranjada
ROBERTO GIACOMINI CHAPOLA – Engenheiro Agrônomo e Pesquisador – PMGCA/UFSCar/RIDESA
11h50 Tema:
Estratégias de manejo de variedades floríferas nas unidades Raízen
RODRIGO RODRIGUES VINCHI – Gerente Corporativo de Desenvolvimento Agrícola – Grupo Raízen
12h45 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL III

Moderador:
JOÃO PAULO MARTINS – Diretor Agrícola – Usina Rio Pardo
14h50 Tema:
Mudas pré brotadas
MARIO GANDINI – Diretor Agroindustrial – São Martinho – Matriz
15h40 Tema:
O Programa Cana IAC e sua contribuição para a canavicultura de três dígitos
MARCOS LANDELL – Diretor – Centro APTA Cana IAC
16h15 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL IV

Moderador:
LEONARDO LOPES MENEZES – Gerente Agrícola Corporativo – Agrisul
16h50
. . .
18h15 Tema:
Estratégias de manejo de Sphenophorus levis nas unidades Raízen
FILIPE JOSÉ ALMEIDA DE ARRUDA – Supervisor(a) de Planejamento e Desenvolvimento – Raízen – Unidade Bonfim
19h00 Jantar de confraternização dos congressistas
Local: Quarta Avenida Eventos – Rua Duque de Caxias, 1.900 – Araçatuba/SP

 

Sala Comunicação

 

ATENÇÃO: Informamos que o horário de início do painel III – “Debate: Sem políticas de Estado o Setor é capaz de cumprir
as metas da COP21?” foi alterado para às 14h20, com o pronunciamento do Ministro do MME Fernando Coelho Filho
PAINEL I

Moderador:
GUILHERME PATRUS MUNDIM PENA – Gerente Corporativo de Comunicação – Copersucar
09h00 Tema:
Como comunicar melhor o agronegócio?
BRUNO BLECHER – Diretor de Redação – Globo Rural

VIVIANE TAGUCHI – Editora Assistente – Globo Rural
10h45 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL II

Moderador:
VIVIANE TAGUCHI – Editora Assistente – Globo Rural
11h20 Tema:
A evolução da comunicação no agronegócio
REGINA MAIA LOPES DA CRUZ – Gerente de Comunicação Corporativa – Grupo Raízen
12h45 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL III

Moderador:
LUIZ CARLOS CORREA CARVALHO (CAIO) – Presidente – ABAG
14h50 Tema:
DEBATE: ProÁlcool – 40 anos de lutas e conquistas
CELSO TORQUATO JUNQUEIRA FRANCO – Presidente – UDOP

ISMAEL PERINA JÚNIOR – Presidente da Câmara Setorial do Açúcar e do Álcool – Ministério da Agricultura

JACYR COSTA FILHO – Diretor da Divisão Brasil – Grupo Tereos

MAURÍLIO BIAGI FILHO – Presidente – Grupo Maubisa

PLÍNIO NASTARI – Presidente – Datagro Consultoria
16h15 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL IV

Moderador:
ANDRÉ ROCHA – Presidente – Fórum Nacional Sucroenergético
16h50
. . .
18h15 Tema:
DEBATE: Qual será o futuro do etanol?
GUILHERME NASTARI – Diretor – Datagro Consultoria

GENÉSIO LEMOS COUTO – Vice Presidente de Pessoas, Sustentabilidade & Comunicação – Grupo Odebrecht Agroindustrial

LUÍS ROBERTO POGETTI – Presidente – Copersucar
19h00 Jantar de confraternização dos congressistas
Local: Quarta Avenida Eventos – Rua Duque de Caxias, 1.900 – Araçatuba/SP

 

Sala Controladoria, Planejamento e Custos

PAINEL I

Moderador:
RICARDO ANDÓZIA – Coordenador de Custo e Orçamento – Grupo Clealco
09h00 Tema:
Formação/Apropriação de custos da cana-de-açúcar, etanol, açúcar e bioeletricidade
ALIANA BATISTA FARIA DA SILVA – Gerente Administrativo/Financeiro – Da Mata
10h45 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL II

Moderador:
RICARDO ANDÓZIA – Coordenador de Custo e Orçamento – Grupo Clealco
11h20 Tema:
Formação/Apropriação de custos da cana-de-açúcar, etanol, açúcar e bioeletricidade
ALIANA BATISTA FARIA DA SILVA – Gerente Administrativo/Financeiro – Da Mata
12h00 Tema:
Mecanização de atividades agrícola e o planejamento na cultura da cana-de-açúcar
MARLI DIAS MASCARENHAS OLIVEIRA – Diretora Técnica de Departamento – IEA – Instituto de Economia Agrícola do Estado de São Paulo
12h45 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL III

Moderador:
LIVIA KOSAKA – Vice-Presidente do Departamento de Consultoria Estratégica – Datagro
14h50 Tema:
Açúcar & Etanol – Mercado atual e competitividade brasileira x Principais produtores mundiais
MARIANGELA GROLA – Gerente de Inteligência de Mercado – Grupo Raízen
15h35 Tema:
Planejamento operacional e financeiro – Custos safra 2015/2016
CARLOS EDUARDO ARAÚJO – CFO – Mackensie Agribusiness
16h15 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL IV

Moderador:
JOSÉ CARLOS ESCOBAR – Consultor – Grupo Aralco
16h50 Tema:
Turnaround em tempos de crise
MARCOS HAALAND – Diretor – Alvarez & Marsal
17h35
. . .
18h15 Tema:
Processo de melhoria contínua através do sistema de custos
CLEBER JOSÉ MORAES – Diretor – M. Moraes Consultoria
19h00 Jantar de confraternização dos congressistas
Local: Quarta Avenida Eventos – Rua Duque de Caxias, 1.900 – Araçatuba/SP

 

Sala Direito do Agronegócio

PAINEL I

Moderador:
LEANDRO SANCHES FERREIRA – Relações Institucionais – UDOP
09h00 Tema:
Dispensas coletivas X Estratégias alternativas de afastamento de empregados
MAURÍCIO PEPE DE LION – Sócio – Santos Neto Advogados
10h45 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL II

Moderador:
JOSÉ LUIZ DO AMARAL SIMIONATO – Gerente Ambiental – Renuka do Brasil S/A
11h20 Tema:
Aspectos ambientais e plano de ação para atendimento e obtenção de recursos junto à instituições financeiras
FERNANDA VIANNA STEFANELO – Advogada – Mattos Filho Advogados
12h45 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL III

Moderador:
OLÍVIA CONCEIÇÃO PINHEIRO MERLIN – Gerente Corporativo Qualidade/Meio Ambiente – Usina Batatais S/A – Açúcar e Álcool
14h50 Tema:
Panorama atual da outorga e cobrança pelo uso de recursos hídricos
IVENS OLIVEIRA – Diretor Administrativo Financeiro – Fundação Agência das Bacias Hidrográficas do PCJ
16h15 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL IV

Moderador:
VINICIUS SOARES ROCHA – Gerente Jurídico Trabalhista – Raízen Energia S/A
16h50
. . .
18h15 Tema:
Atuação do Ministério Público do Trabalho: limites, competências e ações estratégicas preventivas de autuações e condenações
RAFAEL MOLINARI RODRIGUES – Gerente Jurídico – Noble Brasil S/A
19h00 Jantar de confraternização dos congressistas
Local: Quarta Avenida Eventos – Rua Duque de Caxias, 1.900 – Araçatuba/SP

 

Sala Industrial

PAINEL I

Moderador:
ANTONIO ALBERTO STUCHI – Diretor Executivo de Produção – Grupo Raízen
09h00 Tema:
Qualidade da matéria-prima e consequências nos processamentos: áreas de vinhaça e remoção de impurezas no processamento do açúcar
JOSÉ PAULO STUPIELLO – Diretor Presidente – STAB
10h10 Tema:
Segurança alimentar para coadjuvantes de processo na produção de açúcar
PAULO LIRA – Gerente de Aplicação de Produtos – América Latina – GE Water
10h45 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL II

Moderador:
ANTONIO ALBERTO STUCHI – Diretor Executivo de Produção – Grupo Raízen
11h20 Tema:
Qualidade da matéria-prima e consequências nos processamentos: áreas de vinhaça e remoção de impurezas no processamento do açúcar
MÁRCIA MUTTON – Professora Adjunto do Departamento de Tecnologia – FCAV/Unesp – (Jaboticabal)
12h45 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL III

Moderador:
ANTONIO CARLOS VIESSER – Gerente Industrial – Tonon unidades Santa Candida e Paraiso
14h50 Tema:
Operação dos equipamentos de preparo e moagem de cana
PAULO DELFINI – Consultor – Delfini Consultoria e Projetos Industriais
15h30 Tema:
Fabricação de açúcar: problemas atuais e soluções
ERICSON MARINO – Consultor – São Martinho – Matriz
16h15 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL IV

Moderador:
PAULO RICARDO GOMES JÚNIOR – Diretor Industrial – Usina Vale
16h50 Tema:
Como reduzir perdas na fermentação
DINAILSON CORREA DE CAMPOS – Coordenador(a) de Treinamento – Fermentec
17h45
. . .
18h15 Tema:
Peneira molecular – Cuidados e condições para um bom funcionamento
JOSÉ PISANI LOPES – Engenheiro de Projetos – Dedini
19h00 Jantar de confraternização dos congressistas
Local: Quarta Avenida Eventos – Rua Duque de Caxias, 1.900 – Araçatuba/SP

 

Sala Mecanização

* A programação será disponibilizada em breve!

10h45 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.
12h45 Almoço
Momento ideal para fazer networking.
16h15 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.
19h00 Jantar de confraternização dos congressistas
Local: Quarta Avenida Eventos – Rua Duque de Caxias, 1.900 – Araçatuba/SP

 

Sala Mercado, Comercialização e Logística

ATENÇÃO: Informamos que o horário de início do painel III – “Debate: Sem políticas de Estado o Setor é capaz de cumprir
as metas da COP21?” foi alterado para às 14h20, com o pronunciamento do Ministro do MME Fernando Coelho Filho
PAINEL I

Moderador:
ANTONIO DE PÁDUA RODRIGUES – Diretor Técnico – SIFAESP/SIAESP/UNICA
09h00 Tema:
Interpretação dos indicadores de preços do açúcar: o que mudou ao longo dos últimos vinte anos
HELOISA LEE BURNQUIST – Professora e Pesquisadora DEAS/CEPEA – ESALQ/USP
10h45 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL II

Moderador:
MANOEL CARLOS DE AZEVEDO ORTOLAN – Diretor Presidente – Organização Plantadores de Cana da Região Centro/Sul do Brasil – Orplana
11h20 Tema:
Caminhos da cana: soluções e perspectivas de resgate para o etanol
CELSO ALBANO DE CARVALHO – Gestor Executivo – Orplana
12h45 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL III

Moderador:
JUVENAL VENÂNCIO DA SILVA JUNIOR – Gerente de Logística – Glencane Bioenergia S/A
14h50 Tema:
Fiscalização das operações ferroviárias no terminal de transbordo e porto: contribuindo para a melhoria na produtividade e redução dos custos com estadias e perdas
GUILHERME MACÁRIO – Sócio Diretor – GBM LOGÍSTICA
16h15 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL IV

Moderador:
TIAGO HENRIQUE MAGRO – Coordenador de Logística – Biosev S.A.
16h50
. . .
18h15 Tema:
Cabotagem, afretamento marítimo e cálculo de laytime de navios (demurrage/dispatch)
LUIZ FERNANDO DOS SANTOS LOPES – General Manager – North Star Shipping Services
19h00 Jantar de confraternização dos congressistas
Local: Quarta Avenida Eventos – Rua Duque de Caxias, 1.900 – Araçatuba/SP

 

Sala Recursos Humanos

PAINEL I

Moderador:
FERNANDO ANTÔNIO BARROS CAPRA – CEO – Clealco Açúcar e Álcool S/A
09h00 Tema:
O método PDCA e a reestruturação organizacional para melhoria nos resultados
ANDRÉ JEHA – Sócio – FALCONI Consultores de Resultado
10h45 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL II

Moderador:
FERNANDO ANTÔNIO BARROS CAPRA – CEO – Clealco Açúcar e Álcool S/A
11h20 Tema:
O método PDCA e a reestruturação organizacional para melhoria nos resultados
ANDRÉ JEHA – Sócio – FALCONI Consultores de Resultado
12h45 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL III

Moderador:
CARLOS EDUARDO FURLANETI DIONIZIO PEREIRA – Coordenador de RH – Clealco Açúcar e Álcool S/A
14h50 Tema:
Relacionamento e negociação para o líder efetivo
DOUGLAS LIBERATO – Diretor – Mais Ação Eneagrama
16h15 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.
PAINEL IV

Moderador:
RICARDO COSTA VILLELA – Gerente de Recursos Humanos – Aralco S/A – Indústria e Comércio
16h50
. . .
18h15 Tema:
A estrutura de cargos e salários como ferramenta para resultados
RICARDO FERRAZ DO AMARAL – Sócio Diretor – Ferraz do Amaral Consultores Associados
19h00 Jantar de confraternização dos congressistas
Local: Quarta Avenida Eventos – Rua Duque de Caxias, 1.900 – Araçatuba/SP

 

Sala Saúde, Segurança e Meio Ambiente do Trabalho

PAINEL I

Moderador:
JOÃO PAULO DE ALMEIDA – Engenheiro de Segurança do Trabalho – Raízen Energia S/A
09h00 Tema:
Estudos de classificação de áreas
NELSON RUBEN LOPEZ GONZALEZ – Diretor Presidente – Project-Explo
10h45 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL II

Moderador:
JOÃO PAULO DE ALMEIDA – Engenheiro de Segurança do Trabalho – Raízen Energia S/A
11h20 Tema:
Inspeção e regularização de equipamentos elétricos em áreas classificadas
IVO RAUSCH – Coordenador do Departamento Técnico – Project-Explo
12h45 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL III

Moderador:
JOÃO PAULO DE ALMEIDA – Engenheiro de Segurança do Trabalho – Raízen Energia S/A
14h50 Tema:
Trabalho seguro em altura
MARCOS AMAZONAS – Consultor – Honeywell Safety Products
16h15 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL IV

Moderador:
GALLIGER MOREIRA – Coordenador de SESMT – Clealco Açúcar e Álcool S/A
16h50
. . .
18h15 Tema:
Sistemas de ancoragem e o futuro Anexo II da NR 35
MARCOS AMAZONAS – Consultor – Honeywell Safety Products
19h00 Jantar de confraternização dos congressistas
Local: Quarta Avenida Eventos – Rua Duque de Caxias, 1.900 – Araçatuba/SP

 

Sala Suprimentos

*A programação será disponibilizada em breve!
SALA SUPRIMENTOS
10h45 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

12h45 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

16h15 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

19h00 Jantar de confraternização dos congressistas
Local: Quarta Avenida Eventos – Rua Duque de Caxias, 1.900 – Araçatuba/SP

 

Sala Tecnologia da Informação

PAINEL I

Moderador:
AGRIPINO THADEU SILVA DE ANDRADE – Coordenador de Tecnologia da Informação – Ibéria
09h00 Tema:
DB12c – Licencie corretamente e aproveite suas vantagens!
FRANCISCO RENATO DE PAULA JÚNIOR – Gerente de Território SP Interior – Oracle

NAILSON COELHO COSTA – Arquiteto de Soluções Oracle – Ação Informática
10h20 Tema:
Projetos orientados a resultados
ANA PAULA DUMONT – Diretora de Serviços e Projetos – TOTVS Agroindústria
10h45 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL II

Moderador:
SAMIR OLIVEIRA DE FALCO – Coordenador de TI – Grupo Clealco
11h20 Tema:
Inovações em tecnologia da informação para agroindústria
GUILHERME DE CLEVA FARTO – Arquiteto de Soluções – TOTVS Agroindústria
11h45 Tema:
TI Estratégico: Descoberta de conhecimento em base de dados:
– Desafios para a área de TI
– Coleta e validação de dados – Ferramentas (estatística)
– Gestão eletrônica de documentos
OSMAIR FRANCISCO BARRICHELLO – Sócio-Consultor de Negócios – Compusoftware

PAULO SÉRGIO CORRÊA RIBEIRO – Gerente de Projeto – Compusoftware
12h45 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL III

Moderador:
GUSTAVO HENRIQUE GOMES MAGALHÃES – Gerente de TI – Usina Figueira
14h50 Tema:
Obtendo resultados com a tecnologia da informação na agroindústria, transformando despesas em investimentos
GILBERTO MINIQUIEL – Diretor de Marketing – GATEC
15h45 Tema:
Redes GPON (Passive Optica Network), para ambientes da agroindústria canavieira
TOMIJI ODAKA – Consultor Especializado – ODKLabs
16h15 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL IV

Moderador:
FABIO ROBERTO CESÁRIO – Coordenador de TI – Usina Da Mata
16h50 Tema:
Gestão de segurança da informação
EDILSON CANTADORE – Strategic Solutions Consultant – Dell

EDUARDO LOPES DE SOUZA – Gerente Comercial – Visual Systems
17h15
. . .
18h15 Tema:
Commodities e gestão de risco no SAP
RICIERI DONATO CASADEY – Gerente de Projetos – AdopTI – SAP

RODRIGO GUIMARÃES – Especialista em Soluções – AdopTI – SAP
19h00 Jantar de confraternização dos congressistas
Local: Quarta Avenida Eventos – Rua Duque de Caxias, 1.900 – Araçatuba/SP

 

Segundo dia: 10 de novembro

 

Sala Administrativa/Financeira

PAINEL V

Moderador:
DIRCEU BRAMBILA – Coordenador(a) de Custos e Orçamentos – Nova Aralco – Unidade Figueira
08h50 Tema:
Controle e gerenciamento de custos em usinas
FABIANO CASTELLO – Diretor da área de Gestão de Riscos Empresariais – Deloitte
10h30 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VI

Moderador:
DIRCEU BRAMBILA – Coordenador(a) de Custos e Orçamentos – Nova Aralco – Unidade Figueira
11h05 Tema:
Controle e gerenciamento de custos em usinas
FABIANO CASTELLO – Diretor da área de Gestão de Riscos Empresariais – Deloitte
11h45 Tema:
Redução de custos em folha de pagamento e lei anticorrupção (Lei 12.846)
PAULO PINESE – Sócio Diretor – Deloitte
12h30 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VII

Moderador:
MARCOS GUARDIANO – Gerente de Controladoria – Bevap
14h35 Tema:
PIS e Cofins sobre rendimentos financeiros e depósitos judiciais
PAULO PINESE – Sócio Diretor – Deloitte

RAFAEL PIANTONI – Gerente de Consultoria Tributária – Deloitte
16h00 Coffee de encerramento e sorteio de prêmios

 

Sala Agrícola

PAINEL V

Moderador:
JOSÉ CARLOS CONTIERO – Gerente de Arrendamento – Coruripe – Filial Limeira do Oeste
08h50 Tema:
O futuro já chegou! Novas variedades CTC
LUCIANO STUCHI –

MAURO VIOLANTE – Gerente de Vendas da Regional Araçatuba – CTC
09h35 Tema:
Espaçamentos de plantio na cultura da cana-de-açúcar
CÁSSIO PAGGIARO – Diretor Agrícola – Grupo Clealco
10h30 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VI

Moderador:
HERMES AUGUSTO GUIMARÃES ARANTES – Gerente Agrícola – Bevap
11h05 Tema:
Otimização MPB no sistema meiosi
JÚLIO VIEIRA DE ARAÚJO – Gerente Agrícola – Usina São José da Estiva
11h35 Tema:
Inovação no manejo de cigarrinha-das-raízes: visando novos patamares de produtividade e redução de custos
MAURÍCIO FELIPE DO AMARAL OLIVEIRA – Agrônomo de Desenvolvimento de Mercado – Bayer
12h30 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VII

Moderador:
LUNGAS LOPES MENEZES – Pesquisador – RIDESA/UFSCar
14h35 Tema:
Clones RB para validação em ambientes restritivos
ANTONIO RIBEIRO – Pesquisador – UFSCar – EVA
15h05 Tema:
Gestão sobre manejo de plantas daninhas
WEBER GERALDO VALÉRIO – Sócio Diretor – Agro Analítica
16h00 Coffee de encerramento e sorteio de prêmios

 

Sala Comunicação

PAINEL V

Moderador:
PAULO ZAPPA – Coordenador de Comunicação – UNICA
08h50 Tema:
Comunicação em tempo de crise
ANDRESSA SAURIN – Comunicação Empresarial – Odebrecht Agroindustrial
10h30 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VI

Moderador:
ÉRIKA PARDINI – Coordenadora de Comunicação Corporativa – Grupo Raízen
11h05 Tema:
Diversidade humana: Instrumentos de comunicação para combater preconceitos contra funcionários LGBT
JEAN SOLDATELLI – Sócio-Fundador – Santo Caos
12h30 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VII

Moderador:
GRÉCIA ALVES SANTOS – Gerente de Comunicação e Responsabilidade Social – Grupo Noble Agri
14h35 Tema:
A visita institucional como instrumento de comunicação de valores
GEDSON EDUARDO ALMICI – Analista de Produção – São José da Estiva

GISLAINE SAMPAIO – Jornalista

NATÁLIA FLORES PEDRASSANI – Assistente de Comunicação e Eventos
15h30 Tema:
Reunião do comitê de comunicação da UDOP
– Definição da agenda 2016;
– Discussão de temas e assuntos relacionados à área de comunicação das usinas participantes do Comitê, associadas e não associadas à UDOP.
16h00 Coffee de encerramento e sorteio de prêmios

 

Sala Controladoria, Planejamento e Custos

PAINEL V

Moderador:
PAULO SÉRGIO RODRIGUES – Coordenador de Custos e Orçamentos – Usina Glencane – Unidade Rio Vermelho
08h50 Tema:
Controles de custeio da produção rural e industrial – Políticas de gestão de estoques e almoxarifado
ADILSON MARTINS ANDRADE JUNIOR – Consultor – Deloitte
09h40 Tema:
Custo agrícola gerencial – Case de sucesso DC BIO
FÁBIO VALENTIM PUSSI – Controller – DC Bio

MARIO ARIAS MARTINEZ – Diretor Comercial – CHB Sistemas
10h30 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VI

Moderador:
JORGE SALIBE NETO – Gerente de Projetos – Ge Intelligent Platforms
11h05 Tema:
Solução de mobilidade para apoio à informação e indicadores de produção na indústria
CHRISTIAN ALVES VIEIRA – Software Solution Consultant Leader – LatAm – GE
11h50 Tema:
Gestão para resultados – Como melhorar a produtividade
ANDRÉ JEHA – Sócio – FALCONI Consultores de Resultado
12h30 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VII

Moderador:
LUCIANO RODRIGUES – Economista – UNICA
14h35 Tema:
Qualificação de pessoas x Otimização de resultados
ELAINE FÁTIMA LOMBARDI – Gestora de Desenvolvimento – DC Bio
15h10 Tema:
DEBATE: Tomada de decisão assertiva – Excelência na qualidade dos dados e na apresentação dos resultados

ALIANA BATISTA FARIA DA SILVA – Gerente Administrativo/Financeiro – Da Mata

ANDRÉ JEHA – Sócio – FALCONI Consultores de Resultado

ANTONIO CARLOS DE CAMARGO – Comercial

EDSON DE CARVALHO – Sócio-Consultor de Negócios – CS Compusoftware

ELAINE FÁTIMA LOMBARDI – Gestora de Desenvolvimento – DC Bio

FABIANO CASTELLO – Diretor da área de Gestão de Riscos Empresariais – Deloitte

GIANCARLO BIANCHI – Diretor de Planejamento – GATEC

JOSÉ CARLOS ESCOBAR – Consultor – Grupo Aralco

MARIA ANGÉLICA CASTELLANI – PMP, CSM, CSD – Fixe Consulting

MARIO ARIAS MARTINEZ – Diretor Comercial – CHB Sistemas

ROGÉRIO VARANDA – Coordenador de Área Técnica – TOTVS Agroindústria
16h00 Coffee de encerramento e sorteio de prêmios

 

Sala Direito do Agronegócio

PAINEL V

Moderador:
RAFAEL MOLINARI RODRIGUES – Gerente Jurídico – Noble Brasil S/A
08h50 Tema:
Instabilidade jurídica brasileira e os reflexos sobre a atividade econômica sucroalcooleira
MANOEL BERTONE – Especialista em Agronegócios – Deloitte
10h30 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VI

Moderador:
RAFAEL MOLINARI RODRIGUES – Gerente Jurídico – Noble Brasil S/A
11h05 Tema:
Incêndios em canaviais: recentes alterações legais, critérios de causalidade e responsabilidade
ARNOLDO DE FREITAS JUNIOR – Sócio Fundador – AFJ Advogados
12h30 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VII

Moderador:
JORGE DOS SANTOS – Diretor Executivo – Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras do Estado de MT
14h35 Tema:
Custos de contenciosos trabalhistas no setor sucroenergético: quando prevenir é melhor do que remediar
FÁBIO LUIZ PEREIRA DA SILVA – Sócio – Pereira Advogados
16h00 Coffee de encerramento e sorteio de prêmios

 

Sala Industrial

PAINEL V

Moderador:
FRANCISCO LUPO FILHO – Supervisor de Produção – Usina Branco Peres
08h50 Tema:
Importância do sistema de amostragem e da cromatografia líquida na quantificação das perdas indeterminadas
CELSO CALDAS – Diretor – Central Analítica
09h35 Tema:
Metodologia de amostragem e analítica da fabricação do açúcar e do álcool X Perdas indetermináveis
ADALBERTO VOLTARELLI – Químico Industrial – Clealco – Unidade Clementina
09h55 Tema:
Aminas filmadoras (FFA), impacto em caldeiras (estrutura metálica da superfície evaporadora);
Diagnósticos de instituições internacionais (EPRI, VGB)
CHRISTIAN ARTHUR HANSSEN – Sócio-Diretor – Helamin Brasil Indústria e Comércio
10h30 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VI

Moderador:
EDUARDO CALICHMAN – Diretor Industrial – Grupo Raízen
11h05 Tema:
A importância do reuso de água dos processos industriais
CRISTIANO AZEREDO – Gerente Industrial – Odebrecht Polo São Paulo
11h45 Tema:
Evaporação de caldo – Conceitos e estado da arte
PEDRO EDUARDO PINHO DE ASSIS – Diretor – P.A.Sys Engenharia
12h30 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VII

Moderador:
MAURÍCIO BALDI – Diretor Industrial – Clealco
14h35 Tema:
Sementes: qualidade e condicionamento
FERNANDO MEDEIROS DE ALBUQUERQUE – Engenheiro Consultor – F. Medeiros Consultoria
15h15 Tema:
Cozimento: recuperação da sacarose
FERNANDO MEDEIROS DE ALBUQUERQUE – Engenheiro Consultor – F. Medeiros Consultoria
16h00 Coffee de encerramento e sorteio de prêmios

 

Sala Mecanização

Em breve.

 

Sala Mercado, Comercialização e Logística

PAINEL V

Moderador:
OCTÁVIO QUARTIM – Diretora Presidente – Sindicanálcool
08h50 Tema:
O desequilíbrio do mercado internacional de açúcar
LUIZ CARLOS CORREA CARVALHO (CAIO) – Presidente – ABAG
10h30 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VI

Moderador:
MIGUEL RUBENS TRANIN – Presidente – ALCOPAR / SIALPAR / SIAPAR / SIBIOPAR
11h05 Tema:
Relações governamentais e a liderança do setor da bioenergia
MÁRIO FERREIRA DE CAMPOS FILHO – Presidente – SIAMIG
12h30 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VII

Moderador:
DANILO DA SILVA CUNHA – Coordenador Logística Açúcar e Bioenergia – Bunge Brasil
14h35 Tema:
Crise e o mercado de fretes na logística sucroenergética
THIAGO GUILHERME PÉRA – Coordenador – ESALQLOG/USP
16h00 Coffee de encerramento e sorteio de prêmios

 

Sala Recursos Humanos

PAINEL V

Moderador:
MARIE EGASHIRA – Gerente Corporativo Administrativo – Raízen Energia S/A
08h50 Tema:
Saúde ocupacional para gestores de recursos humanos
ERLON MARTINS TOSTES – Médico do Trabalho – Vertente/Guarani
10h30 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VI

Moderador:
ANDRÉ LUIZ FERREIRA ALVES – Coordenador Trabalhista – Vella Pugliese Buosi Guidoni Advogados
11h05 Tema:
Relações trabalhistas para gestores de recursos humanos
FREDERICO FERREIRA DA SILVA PAIVA – Relações Trabalhistas e Sindicais Corporativo – Noble Brasil
12h30 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VII

Moderador:
ANDRÉ LUIZ FERREIRA ALVES – Coordenador Trabalhista – Vella Pugliese Buosi Guidoni Advogados
14h35 Tema:
Relações trabalhistas para gestores de recursos humanos
FREDERICO FERREIRA DA SILVA PAIVA – Relações Trabalhistas e Sindicais Corporativo – Noble Brasil
16h00 Coffee de encerramento e sorteio de prêmios

 

Sala Saúde, Segurança e Meio Ambiente do Trabalho

PAINEL V

Moderador:
JOEL SORATI JUNIOR – Assistente Técnico – GSO
08h50 Tema:
Impactos do e-Social em segurança e saúde ocupacional
MÁRIO MÁRCIO DOS SANTOS – Diretor Presidente – GSO
10h00 Tema:
Os desafios de manter a conformidade diante do e-Social, das crescentes ações regressivas e da preparação para uma nova NR-1
ION MOTA RODRIGUES – Coordenador Técnico – São Francisco Saúde

RODNEY SILVÉRIO MIGUEL – Gerente Médico – São Francisco Saúde
10h30 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VI

Moderador:
FERNANDO DOS SANTOS MARTINS – Engenheiro de Segurança do Trabalho – Alta Paulista Indústria e Comércio LTDA
11h05 Tema:
Gestão da cultura de segurança em agroindústrias sucroenergéticas
JOÃO PAULO DE ALMEIDA – Engenheiro de Segurança do Trabalho – Raízen Energia S/A
12h30 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VII

Moderador:
JOÃO CARLOS MORELLI – Coordenador de Segurança Patrimonial – Aralco S/A
14h35 Tema:
Gestão de afastamentos e absenteísmo – Integração SSMA e Jurídico
NATÁLIA SILVA DE BRITO – Jurídico – Odebrecht Agroindustrial S/A
16h00 Coffee de encerramento e sorteio de prêmios

 

Sala Tecnologia da Informação

PAINEL V

Moderador:
PAULO SÉRGIO RODRIGUES – Coordenador de Custos e Orçamentos – Glencane – Unidade Rio Vermelho
08h50 Tema:
Controles de custeio da produção rural e industrial – Políticas de gestão de estoques e almoxarifado
ADILSON MARTINS ANDRADE JUNIOR – Consultor – Deloitte
09h40 Tema:
Custo agrícola gerencial – Case de sucesso DC BIO
FÁBIO VALENTIM PUSSI – Controller – DC Bio

MARIO ARIAS MARTINEZ – Diretor Comercial – CHB Sistemas
10h30 Coffee break
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VI

Moderador:
JORGE SALIBE NETO – Gerente de Projetos – GE Intelligent Platforms
11h05 Tema:
Solução de mobilidade para apoio à informação e indicadores de produção na indústria
CHRISTIAN ALVES VIEIRA – Software Solution Consultant Leader – LatAm – GE
11h50 Tema:
Gestão para resultados – Como melhorar a produtividade
ANDRÉ JEHA – Sócio – FALCONI Consultores de Resultado
12h30 Almoço
Momento ideal para fazer networking.

PAINEL VII

Moderador:
LUCIANO RODRIGUES – Economista – UNICA
14h35 Tema:
Qualificação de pessoas x Otimização de resultados
ELAINE FÁTIMA LOMBARDI – Gestora de Desenvolvimento – DC Bio
15h10 Tema:
DEBATE: Tomada de decisão assertiva – Excelência na qualidade dos dados e na apresentação dos resultados

ALIANA BATISTA FARIA DA SILVA – Gerente Administrativo/Financeiro – Da Mata

ANDRÉ JEHA – Sócio – FALCONI Consultores de Resultado

EDSON DE CARVALHO – Sócio-Consultor de Negócios – CS Compusoftware

ELAINE FÁTIMA LOMBARDI – Gestora de Desenvolvimento – DC Bio

FABIANO CASTELLO – Diretor da área de Gestão de Riscos Empresariais – Deloitte

GIANCARLO BIANCHI – Diretor de Planejamento – GATEC

JOSÉ CARLOS ESCOBAR – Consultor – Grupo Aralco

MARIA ANGÉLICA CASTELLANI – PMP, CSM, CSD – Fixe Consulting

MARIO ARIAS MARTINEZ – Diretor Comercial – CHB Sistemas

ROGÉRIO VARANDA – Coordenador de Área Técnica – TOTVS Agroindústria
16h00 Coffee de encerramento e sorteio de prêmios

 

Mapa do evento

 

A história da Seringueira no Brasil

Descoberta no século XVIII, a seringueira é conhecida mundialmente e é a fonte principal para a produção de borrachas naturais, além de ser a melhor opção para a produção desse material, visto que não há substituto sintético à altura da qualidade da borracha produzida com a seiva da seringueira.

Também conhecida pelo nome científico Hevea brasiliensis, a árvore é originária da região amazônica e está presente não só no Brasil, mas também em outros países da América Latina, como Bolívia, Colômbia, Peru, Venezuela, Equador, Guianas e Suriname.

Charles Goodyear criou a fusão do látex com enxofre (vulcanização) e possibilitou que a borracha natural se tornasse uma ferramenta econômica tão importante, levando o material ao uso em larga escala, em solas de sapato e pneus, por exemplo.

No período entre 1870 e 1920, a seringueira era a segunda maior fonte de exportações do Brasil, perdendo apenas para o café. Acredita-se que o nome seringueira veio da forma como o látex é extraído da árvore, como uma seringa que extrai o líquido de sua casca.

Por volta de 1876, o ciclo da borracha no Brasil estagnou. 70 mil mudas de seringueira foram levadas para Inglaterra pelo botânico inglês Henry Wickman, além de mais 2 mil para a Malásia, região que hoje tem produção maior e mais desenvolvida da seringueira do que o próprio Brasil.

Atualmente, a maior parte da sua produção para comércio está concentrada no sudeste asiático, em países como Malásia, Tailândia e Indonésia. Já no Brasil, a produção mais significativa se encontra nos estados da Bahia e do Paraná. O sucesso no desenvolvimento tão grande da seringueira no sudeste da Ásia também se deu pelo fato de que o principal fungo que dava nas folhas da árvore na região Amazônica não se desenvolveu naquela região, permitindo então um plantio mais saudável e muito mais rentável.

Segundo o IAC, Instituto Agronômico de Campinas, no ano de 2012, o Brasil foi responsável pela produção de apenas 1,5% do total da produção de borracha natural no mundo inteiro. O restante da demanda de borracha no país é compensado com importações, visto que o produto é usado na fabricação de cerca de 30 mil itens.

Nas décadas de 70 e 80, o Brasil até tentou recuperar a força mundial na produção de látex, com investimentos altos para facilitar e tornar possível a retomada da produção na região Amazônica. Infelizmente, no cenário atual, o cultivo da seringueira tem ficado cada vez mais de lado, deixando ainda mais espaço para os países do sudeste asiático dominarem ainda mais esse mercado. Para um país que descobriu o uso da seringueira para extração do látex, é lastimável que essa cultura tenha sido abandonada dessa forma.

Pecuária de corte, o sucesso inegável na produção agrícola, o cooperativismo

 

A pecuária é uma das principais atividades econômicas do país e emprega mais de 7 milhões de pessoas em todo território nacional. Mais de 80% do rebanho nacional está concentrado na pecuária de corte, enquanto a produção de leite representa uma menor porção do gado nacional.

 

Antigamente, a pecuária de corte era uma atividade mais familiar e amadora, porém hoje a tecnologia e os avanços nos recursos de nutrição e genética dos bovinos tem facilitado a produção e aumentado as possibilidades produtivas e de ganhos.

 

Para se ter uma noção de como a pecuária é muito mais presente no país em relação à agricultura, o território utilizado para o gado de corte chega a ser três vezes maior do que a área utilizada para as lavouras.

 

O gado de corte no Brasil conta principalmente com raças zebuínas originárias da Índia, como o Nelore, raça que se desenvolve muito bem em clima tropical e por isso corresponde a 80% da produção nacional que em sua totalidade chega a 121 milhões de cabeças.

 

Apesar de todos os fatores contribuirem, a pecuária nacional ainda patina um pouco no mercado internacional, não sendo o maior produtor de carne bovina do mundo apesar de ter o maior rebanho do globo, perdendo para os Estados Unidos que detém 22% da produção mundial, enquanto o Brasil representa apenas 10% do total de carne produzida no mundo.

 

Infelizmente, mesmo possuindo um grande rebanho, nossa produtividade é muito baixa comparada à de outros países. E é isso que precisa ser trabalhado aqui no Brasil, com políticas de incentivo, mais treinamento e tecnologia e com uma estrutura que facilite e encoraje a produção para o mercado interno e externo.

 

Muitos dos produtores de gado de corte ainda são pequenos empreendedores e nem sempre possuem todos os recursos para se destacarem no mercado e terem uma produção competitiva. Assim, se esforçam, mas tem dificuldade para aumentar sua produtividade e lucros, o que se torna um ciclo.

 

Então como tornar os pequenos produtores mais eficazes e mais fortes? Uma das formas de resolver isso é apostar no cooperativismo. Unindo-se, os pequenos produtores tem mais chances e mais potencial não só para produção, mas também para fazer bons negócios com o seu gado, pois conseguem atender clientes que precisam de mais volume.

 

A ideia é viabilizar todo o processo produtivo, aumentanto a eficácia, garantindo escoamento da produção e bons preços para que os cooperados consigam se beneficiar da força da união e da produção em maior volume. Alguns governos estaduais possuem programas que orientam e incentivam a criação de cooperativas, o que é essencial para fortalecer essa prática no país.

 

Assim, com esforço e união é possível que um dia o Brasil chegue a liderar o mercado da pecuária de corte, não sendo apenas o maior rebanho, mas também a maior produção de carne bovina no mundo.